O benefício oculto de fazer uma viagem

viajanteEstava aqui tentando me lembrar qual foi a primeira vez que viajei sem a presença dos meus pais. Lembro-me de na minha adolescência, eu ter ido com grupos de amigos para a Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. É nesta fase que temos a sensação de mais independência, de começarmos a ver que podemos realizar coisas e decidirmos sozinhos, sem alguém por perto para te dar a direção do que fazer.

Mas resgatando em minha memória mais distante… eu tenho uma grande amiga de infância, a Gisele, para ser mais precisa a conheço desde os meus 4 ou 5 anos de idade, que estudávamos no mesmo colégio e éramos vizinhas. A família dela tinha uma casa em Itaipuaçu, no Rio de Janeiro, e volta e meia eles iam para lá nos finais de semana ou algum feriado. Lembro de ter ido com a família dela algumas vezes, e sem os meus pais. Éramos crianças ainda, mas nossos pais se conheciam bem, já que foram vizinhos de longa data. Sim, foi a partir da minha infância que aconteceram os meus pequenos passos longe deles. Acho que esses acontecimentos em nossas vidas são importantes e ficam para sempre em nossa memória. Para ir já dando uma “dica” do que é o mundo, do que o futuro nos reserva, de aprendermos a darmos os nossos próprios passos gradativamente. É como aprender a andar…

Quando viajei para a Europa pela primeira vez com colegas da faculdade por intermédio de um intercâmbio, foi um enriquecimento interno em vários sentidos: de aprender a me virar mais sozinha, o aprimoramento no aprendizado de uma outra língua (senti uma desenvoltura maior do que em anos de cursinhos de inglês), de lidar com as contrariedades normais que acontecem em qualquer viagem, lidar com pessoas de culturas e personalidades diferentes, enfim, é uma experiência que fica para toda a vida.

Viajar nos proporciona isso, de certa forma. Nos dá algum tipo de lição que, nem sempre nos damos conta no momento em que está acontecendo. É claro que envolve também várias outras questões que independe da nossa vontade. Isso porque viajar envolve custo e disponibilidade. Depende muito da realidade de cada um.

Mas, quando a oportunidade lhe bate a porta, a dica é não deixá-la escapar. Aproveite o momento, curta, divirta-se e tenha a certeza de que todas as experiências que tiver, sejam elas boas ou não, lhe trarão algum tipo de benefício no futuro.

Façam as malas e…. boa viagem!

Abraços!

This entry was posted in Dicas and tagged , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *